terça-feira, 8 de março de 2016

Mulher



Olhar doce e rosto frágil

Em espírito forte.

Corpo escravo

Trazes na carne o cansaço

E nas mãos o suor

De uma vida que não sonhaste.



Reprimes a vontade

Mas guardas a quimera

Semente que a chuva há-de regar.


E quando, vermelha, a vitória florir

Ai!, quando a primavera desabrochar!

O perfume do alecrim

Inundará nossos sentidos

Eliminando o mofo que nos atormenta.



Mulher bela,

De Sorriso triste,

Mostra-nos o brilho

Que no teu olhar resiste.

Mostra-nos a cor da tua força.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Vida-Magia

Na terra cor de fogo Brotou a menina-girassol O astro principal alimenta o seu pequeno corpo Com a energia que, em sorrisos, ela ...